10.12.09

for ever.

O dia está cinzento, um típico dia de Inverno, o frio congela-me as mãos, duas ou três madeixas de cabelo a voar ao sabor da brisa gélida. As árvores já adquiriram a tonalidade avermelhada, o horizonte indistinguível toldado pelo nevoeiro intenso. Como sempre. O cheiro a canela, os dias curtos e a chuva frequente e intimidadora, já se manifestam. Como sempre. Dizem que o Inverno como nós o conhecemos vai dentro de poucos anos acabar, mas até lá os sinais de que a estação mais mágica do ano já chegou são um valor seguro, como sempre.
O vento toma um novo rumo, a neblina húmida envolvendo os meus pensamentos nostálgicos. Ainda me lembro de um dia, muitos dias atrás, me dizerem num dia como o de hoje, que os bons amigos são para sempre. Para sempre… Era uma promessa entusiasmante até que o primeiro dia da Primavera chegou e ‘o sempre’ passou a nunca mais, e essa foi provavelmente a promessa mais desapontante e a última em que eu acreditei tão inocentemente.
Não posso deixar de pensar que tudo o que é verdadeiramente bom, eventualmente acaba. Então qual é o objectivo de lutarmos por esses pequenos tesouros? No fim do dia, o mais importante são os bons momentos vividos, as experiências que jamais teríamos de outra maneira, as memórias que ficam para sempre. Não quero perder amizades, não claro que não, mas nem todos os laços são eternos.
O céu está cada vez mais escuro, os chuviscos a tomar corpo e força, o vento mais do que uma inofensiva brisa obriga-me a manter os meus olhos semi-cerrados. Tudo parece girar à minha volta depressa demais por mais que eu queira prender cada segundo, eles escapam-me por entre os dedos. Não consigo deixar de pensar onde estarei daqui a um ano, onde estarão estas árvores, qual será o horizonte à minha frente, e enquanto fantasio sobre este mundo que está para vir esqueço-me de viver o presente convenientemente, aquele que vai constituir quem eu sou para sempre.
Sempre? Sempre. Ou nos comprometemos a viver cada momento e a relembrá-lo para sempre ou estamos a perder o nosso tempo aqui parados a ver o Mundo dar mais uma volta.

3 comentários:

alwaysblueandyellow disse...

Eu adoro quando uma pessoa consegue descrever exactamente aquilo que eu estou a sentir. Neste momento, dou por mim a pensar mais no futuro do que no presente para, no final de tudo, não chegar a nenhuma conclusão. Depois de ler o que disseste, acho que vou seguir o teu conselho. Não vale a pena pensar no futuro quando ele é tão ténue e mutável. Vou viver o presente :')
Beijinhoos.

T. Sofy disse...

Hello my dear!

Só para avisar que o blog mudou de link ;) já estás a ser seguida ^^

Passou de http://watermelonlifelove.blogspot.com/ para http://yesiamagirlandsowhat.blogspot.com/

Beijinho, Tania

carolina disse...

oi cate, será que me podias ajudar?eu ando a tentar procurar médias das universidades no Reino Unido para Tradução mas não encontro nada.
obrigada pelo tempo e por onde andas miuda? :O
o meu blog mudou para o sapo, eu era o blog http://justanendlessroad.blogspot.com