10.12.09

for ever.

O dia está cinzento, um típico dia de Inverno, o frio congela-me as mãos, duas ou três madeixas de cabelo a voar ao sabor da brisa gélida. As árvores já adquiriram a tonalidade avermelhada, o horizonte indistinguível toldado pelo nevoeiro intenso. Como sempre. O cheiro a canela, os dias curtos e a chuva frequente e intimidadora, já se manifestam. Como sempre. Dizem que o Inverno como nós o conhecemos vai dentro de poucos anos acabar, mas até lá os sinais de que a estação mais mágica do ano já chegou são um valor seguro, como sempre.
O vento toma um novo rumo, a neblina húmida envolvendo os meus pensamentos nostálgicos. Ainda me lembro de um dia, muitos dias atrás, me dizerem num dia como o de hoje, que os bons amigos são para sempre. Para sempre… Era uma promessa entusiasmante até que o primeiro dia da Primavera chegou e ‘o sempre’ passou a nunca mais, e essa foi provavelmente a promessa mais desapontante e a última em que eu acreditei tão inocentemente.
Não posso deixar de pensar que tudo o que é verdadeiramente bom, eventualmente acaba. Então qual é o objectivo de lutarmos por esses pequenos tesouros? No fim do dia, o mais importante são os bons momentos vividos, as experiências que jamais teríamos de outra maneira, as memórias que ficam para sempre. Não quero perder amizades, não claro que não, mas nem todos os laços são eternos.
O céu está cada vez mais escuro, os chuviscos a tomar corpo e força, o vento mais do que uma inofensiva brisa obriga-me a manter os meus olhos semi-cerrados. Tudo parece girar à minha volta depressa demais por mais que eu queira prender cada segundo, eles escapam-me por entre os dedos. Não consigo deixar de pensar onde estarei daqui a um ano, onde estarão estas árvores, qual será o horizonte à minha frente, e enquanto fantasio sobre este mundo que está para vir esqueço-me de viver o presente convenientemente, aquele que vai constituir quem eu sou para sempre.
Sempre? Sempre. Ou nos comprometemos a viver cada momento e a relembrá-lo para sempre ou estamos a perder o nosso tempo aqui parados a ver o Mundo dar mais uma volta.

7.12.09

on the horizon



there could be good and bad things though it looks mostly pretty and desirable.
there could be rainbows and storms though all I see is colorful dreams
in that line, whether it be blue, grey, pink or black,
all I see is the non-ending happiness.

6.12.09

pre-moment.

O fim está próximo. Eu sinto-o. É o momento de decidir entre a verdade e a mentira, o sonho e o pesadelo, a luz e a escuridão – quando os jogos acabam, quando não há mais sítios onde me esconder, quando as linhas da história se cruzam, quando o destino de todos nós é decidido. O momento está próximo, a sala está fria, o ar gélido e a tensão congelando os meus ossos e músculos. Arranjo-me melhor no meu lugar em cima do balcão, o pedaço de papel nas minhas mãos a tremer, ameaçando fugir a qualquer momento, pressentindo também ele a definitividade do momento. Perguntei-me várias vezes se isto seria mesmo necessário, se seria necessário destruir tudo aquilo que conheço, se seria necessário sair da minha zona de conforto. Por mais que me tentem convencer do contrário, não há volta a dar.
Um barulho nas escadas, está aproximar-se. Uma torrente de emoções – medo, entusiasmo, nervosismo – afoga a minha respiração num ritmo descontrolado. Quero fugir. Fugir é o que eu faço melhor seja qual for a situação mas não tenho para onde fugir, é tarde demais, tenho de fazer isto. Tento inundar-me de pensamentos positivos, o porquê de eu estar a fazer isto, o que aconteceria se não o fizesse. Mas positivismo nunca foi o meu forte especialmente quando cada milésimo de segundo pode ser o último desta paz.
A porta abre-se, um vulto emerge apalpando por uma luz que lhe mostre que sou eu que me encontro nas sombras nocturnas da cozinha dura. Segundos depois toda a casa se encontra iluminada, mas dificilmente mais quente ou mais acolhedora ou mais positiva, apenas mais clara. Observo tudo isto do canto do olho, não preciso de me virar para saber quem vem aí, o que vai acontecer a seguir, para saber que lentamente um olhar fixante se vai tornando cada vez mais profundo na minha face esquerda.
Não sou feita de pedra, ao contrário do que se possa pensar, pelo contrário. Se o fosse nada disto seria necessário, tudo teria acabado há muito tempo; mas sou uma pessoa, e como qualquer outro ser humano possuo algo muito irritante chamado esperança. Acredito que é por isso que ainda me dou ao trabalho, que ainda me esforço, que ainda luto, se não tivesse esperança nada disto faria sentido. Antes que me consiga pronunciar, pequenas bolsas de água que se formaram nos meus olhos, quebram-se, molhando a minha cara de água salgada.
‘Temos que falar.’
Olho-a nos olhos. Ambas sabemos o que vai acontecer a seguir, não vale a pena negar. O mundo como nós o conhecemos está prestes a acabar – a verdade esclarecida, o sonho libertado, o amanhecer de uma nova guerra impressa neste destino que escolhi por todos nós. O fim está próximo, eu sei-o, o frio sabe-o, ela sabe-o, só falta saber quem o pronuncia primeiro.

--
Não tem muito sentido. Foi um momento que eu imaginei a acontecer...

30.11.09

God.

Antigamente eu costumava acreditar em Deus. Costumava acreditar, mais pela ideia de medo que a minha avó me incutia do que por outra coisa. Costumava simpatizar com os ideais, com o sentimento de comunidade. Quando o meu avô morreu pode-se dizer que foi o meu pico de religiosidade – rezar, missas aqui e ali, basicamente the whole package. Antigamente, algumas coisas eram mais claras e outras definitivamente mais distorcidas, encobertas no pesado nevoeiro. Antigamente, porém, já lá vai.
Se eu (se a maior parte das pessoas que se julgam crentes em Deus) pensasse nele apenas quando algo de bom acontecesse, poderia considerar-me crente. Se Deus existisse, eu sabê-lo-ia no meu íntimo – e para ser franca nunca existe mais convencida da sua não existência. Não digo que não exista – até pode existir – mas não peçam para ter fé em algo tão irreal. Eu tenho fé nas pessoas, aquelas que lutam todos os dias por mais um dia de vida, e ao menos essas, por pouco que façam no dia-a-dia, sempre são mais reais que Deus.
É difícil acreditar. Ultimamente é tudo tão difícil – acreditar, sonhar, esperar. Só não é difícil chorar e voar. Voar como um pequeno pássaro no seu primeiro voo inocente que não sabe melhor. Eu quero voar, voar mais alto, para longe. Mas e as pessoas? As que ficam cá em baixo, do tamanho de formigas, a ver-me voar – o que vão elas dizer, pensar, sentir?
Eu não acredito em Deus, nem agora e provavelmente nem no futuro próximo, mas se acreditasse pedia-lhe para me dar uma oportunidade, deixar-me voar independentemente de quem fica. Com esses já sofri o suficiente, agora falta deixar as lágrimas cair nas ondas que sobrevoo, preparar-me para enfrentar uma nova fase, uma nova folha em branco, um novo céu azul que não sabe de onde venho, quem fui (e nada lhe interessa) e aguarda para onde vou, quem quero ser.

23.11.09

still overwhelmed.

A história continua!
Tenho medo de não ser aceite numa faculdade em Inglaterra - ficar aqui em Lisboa, já para não falar da desilusão que ia ter, dava cabo de mim.
Tenho medo de ser aceite - apesar de ser muito independente e não ter medo de experimentar coisas novas, nunca mudei de escola (quanto mais de país) e 'abandonei' os amigos que sempre tive.
Tenho medo...
Era tudo muito mais fácil quando estava no 10º ano e tudo o que tinha de fazer era sonhar e ficar à espera que o tempo pasasse. Nem sequer queria saber se tinha uma nota menos boa aqui e ali (´Para a próxima é melhor. Há tempo, Catarina, relaxa'), agora não posso falhar (e hoje fui apanhada a jogar farmville na aula de área de projecto -.-).
Já tenho uma carta de recomendação da minha stora de economia. Amanhã se tudo correr bem envio a minha inscrição. Daquilo que estive a ver na net, não vou ficar muito tempo à espera (mais ou menos 1 a 4 semanas, algumas pessoas tiveram resposta em 2 dias).
Uma das universidades, University Of Warwick (a minha primeira escolha), mandou-me um mail hoje a dizer que preciso de 18 a matemática, inglês e em média (ou pelo menos foi assim que aceitaram candidatos portugueses em anos anteriores). Consigo os dois primeiros, agora a média é que nem por isso. Já estou de olhinhos postos noutra - University Of Nottingham - é na mesma zona e é linda ^^
Estou feliz, de qualquer maneira - ao menos acho que isto é felicidade misturada com um pouco (grande) de ansiedade (quem seria eu sem os meus ataques de ansiedade).

22.11.09

confessions.

SCHOOL CONFESSIONS
[ ] Talked back to a teacher.
[x] Been kicked out of a class.
[ ] Worn your pyjamas to school.
[x] Had your tooth fall out during school.
[x] Gotten yourself lost in your school.
[x] Broken the dress code in your school.
[x] Completely and utterly failed a test.
[ ] Left your class without asking anybody.
[ ] Missed a whole week of school for something stupid.
[x] Thrown up your lunch in school.

HOME LIFE CONFESSIONS
[x] Argue with your parents a lot.
[ ] Argue with your brother[s] a lot.
[ ] Argue with your sister[s] a lot.
[ ] Do your own laundry.
[ ] Cook dinner once in a while.
[ ] Are loud and obnoxious at home.
[x] Wear pajamas when you are not going to go anywhere
[ ] You sleep in very long.
[x] All you do is watch television/go on the internet.
[ ] Your parents are divorced.
[x] Your family makes you cry a lot
[ ] One or both of your grandparents live with you.
[x] You can’t stand being with your parents.

FRIEND CONFESSIONS
[x] You currently dislike one or more of your friends.
[x] You are jealous of one or more of your friends.
[x] You have known a friend your whole life.
[ ] Your friends are all taller than you.
[x] You have been ditched by a friend.
[x] You have memorized a friends phone number.
[x] You have lost/forgotten a friends phone number.
[x] You have been to most of your friends houses.
[x] You love most of your friends

HABIT CONFESSIONS
[ ] You bite your nails.
[ ] You have an odd obsession with knives.
[ ] You cannot sleep with the door closed.
[ ] You cannot sleep with the door open
[ ] There is at least one sound you cannot stand.
[ ] You write stories about mad cannibalistic serial killers
[x] You are good at telling lies

LOVE CONFESSIONS
[ ] You currently like/love someone.
[ ] You want to kill one of your exs.
[ ] You can stay committed for an unusually long time
[x] You get bored of your crush/bf/gf easily.
[ ] A crush/bf/gf has called you self-centered before.
[ ] Your ex has dumped you for another girl.

PERSONAL OPINION CONFESSIONS

[ ] You hate George Bush.
[x] Abortion is horrible and should be illegal.
[x] Gay marriage is fine by you.
[ ] Boys make better friends than girls do.
[ ] Pink is an ugly color.
[x] Needles aren’t so horrible.
[ ] Human flesh tastes like fine aged veal
[x] You have plenty of secrets

“HAVE YOU EVER” CONFESSIONS
[x] Fallen up the stairs.
[ ] Had your shoelaces tied together.
[x] Had a nail fall off.
[ ] Captured, Manipulated, or Destroyed a soul.
[x] Slapped someone across the face.
[ ] Killed someone.
[x] Worn something inside out for a whole day



Copy-paste e ponham as vossas respostas no vosso blog (:

19.11.09

overwhelmed.

So pretty, so smart
Such a waste of a young heart!
What a pity, what a sham

What’s the matter with you, man?
(...)
I’m a satellite heart, lost in the dark
I’m spun out so far, you stop, I start
But I’ll be true to you



Life? Overwhelming.
Lately, tenho andado embrenhada em sites e mais sites de universidades,  inscrições para as mesmas, 'personal statements', ... O mais irritante é que só agora me apercebi da importância de estar sempre no meu melhor (de facto, apetece-me bater a mim própria pela minha indiferença nos últimos dois anos). Nunca senti a motivação e agora sempre que penso que posso não entrar em lado nenhum em Inglaterra tenho uma ataque de pânico.


They say i haven’t slept in weeks, you’re the only thing i see


O que é que vocês fariam? Se tudo aquilo com que sonharam desde pequenos se desfizesse nas 5 milésimas de segundo que leva a abrir um site no qual, em principío em Maio 2010, estaram as negações que eu não posso deixar de esperar (porque sejamos honestos, não sou má aluna, mas devido á minha atitude de 'estou-me nas tintas' não sou nada de especial também).
Tenho medo. Tenho tanto medo. 
Tenho medo de não ser aceite - não sei o que faria, ficaria perdida, provavelmente ía-me completamente abaixo.
Tenho medo de ser aceite - porque verdade seja dita, apesar de querer sair daqui, ir para Inglaterra e ter a maturidade suficiente para tal, vou de facto deixar a minha vida inteira para trás. Tenho direito ao meu receio, certo? E, á medida que o ano vai progredindo, ouço falar de 'esta é a última vez que...', 'para o ano vamos estar na faculdade!', 'daqui a um ano...', entre outras, e o que seria uma dificuldade razoável torna-se numa dificuldade que até para mim (rainha da independência e da adaptabilidade, espero que não se importem com a minha adopção do título) começa a ser um pouco elevada.
Só queria desabafar isto. De certeza que vão ouvir-me falar MUITO mais deste assunto no futuro, especialmente se for aceite (espero tanto que sim, espero tanto... sinceramente não há nada que eu queira mais), e se o for prometo continuar este blog from the UK!


<3 you always.


quotes: Satellite Heart by Anya Marina

15.11.09

failowrimo.

' In a speeding car in the highway you can’t really feel the time passing by – only the clock hands moving – or the speed – you can only see the trees passing you by in blurs. But if there’s something you can be in a speeding car is in pain; dreadful, depressing pain. There’s no way out – you can’t just leave and slam the door, you can’t yell and then hide the tears in the bathroom, you can’t kill yourself.

(...)

It started out as a hot autumn night, I was so happy. I hadn’t been that happy for long time, I remember that, and even then I wasn’t nearly as happy as I should have been. Had I been less mature, less responsible, less self-conscious, less aware, and I would have been happier. It all started out because a part of me felt lighter, freer – and if I had to take a wild guess I’d say it was due to that look we shared just for a few seconds, it liberated me, and before I would have said it had liberated him as well. '


Beginning and a paragraph towards the ending of my NaNoWriMo (my favorite parts so far), which is currently more like, FailoWriMo.

13.11.09

i love the internet.


sexta à noite no omegle.com


You: hey
Stranger: hey
You: so... james?
Stranger: yeah howd u know?
You: I guessed... I'm lily
You: potter
Stranger: : O
Stranger: my love
Stranger: i cant believe we only did it once, we never had the chance to give birth to harriet potter
You: I feel the same... you wanna get together now?
You: :P
Stranger: fo sho biatch
You: great. maybe we could call sirius too?
Stranger: nah that guys a downer
You: hmm okay. anyone you would like to invite?
Your conversational partner has disconnected.

6.11.09

A FNAC e a ZON LUSOMUNDO estão a preparar uma festa de lançamento do DVD mais aguardado deste ano.

HARRY POTTER E O PRÍNCÍPE MISTERIOSO
DIA 16 DE NOVEMBRO NA FNAC COLOMBO
ENTRE AS 10H00 E AS 24H00

- Seja um dos primeiros a adquirir Harry Potter e o Príncipe Misterioso
- Ganha prémios especiais e exclusivos Harry Potter
- Vem assistir na loja aos filmes Harry Potter 1 a 5

AGENDA DO EVENTO
- 10:00h – Maratona de Filmes Harry Potter da maratona HP: exibição dos filmes HP1 ao HP5.
- 22:30h – Visionamento de entrevistas exclusivas apresentadas por Mário Augusto
- 23:00h – Revelação de extras inéditos de Harry Potter e o Príncipe Misterioso
- 23:15h – Caça aos Horcrux
- 23:45h – Desfile dos Caracterizados
- 24:00h – Início das vendas com oferta exclusiva de 2 frames originais do filme em 35mm (Edição Numerada e Limitada) com certificado de autenticidade.

PRÉMIOS:
Todos os prémios serão entregues no acto de compra do DVD ou BLU-RAY do filme HARRY POTTER E O PRÍNCIPE MISTERIOSO
Caso não se verifique o acto de compra a atribuição do(s) prémio(s) não será válida
Os primeiros 10 Maratonistas recebem 1 colecção de 5 BLU-RAY correspondentes aos filmes HP 1-5
Será fornecido um cartão aos maratonistas que depois de validado e entregue no acto de compra do HP6 em DVD ou BLU-RAY, vale o prémio acima indicado
Caça aos Horcrux (oferta de prémios surpresa).
Os 3 participantes melhor caracterizados de acordo com o universo de Harry Potter recebem 1 colecção de 5 BLU-RAY correspondentes aos filmes HP 1-5
OFERTA LIMITADA
2 Frames Originais do Filme em 35mm (Edição Numerada e Limitada) com certificado de autenticidade.

Esta oferta é válida em exclusivo para quem adquirir Harry Potter e o Príncipe Misterioso em Blu-Ray ou DVD no dia 16 de Novembro à meia-noite.
Os clientes Fnac.online que desejarem participar na festa de lançamento poderão solicitar a entrega do seu DVD ou Blu-Ray para a Fnac Colombo e também beneficiarão desta oferta suplementar.

Para mais informações, entrem em contacto com a Fnac, através do e-mail colombo@fnac.pt

25.10.09

can't get it right today.

new in class.

knock-knock.

Oh Hai! Isto por aqui tem estado um bocado abandonado. Eu culpo o tempo, que é pouco e não trás inspiração, porque se não for o tempo, a culpa é toda minha.
Amanhã tenho o meu último teste da primeira 'fase', depois é descanso, ir ás compras e, claro, agora as aulas de ballet. Espero não parecer ridicula, mas estou entusiasmada com o projecto e o meu novo objectivo é ter autorização para fazer pontas.
Para além do mais, não sou a única na turma que já tem uma certa idade (= já está no secundário pelo menos), há mais 3 raparigas e acho que algumas delas são até mais velhas do que eu (ao menos a minha mãe já não pode gozar comigo por ter 17 anos e voltar para o Ballet --')

É giro começar coisas novas. Com o passar do tempo deixamos de reparar nisso, mantemos-nos sempre a fazer as mesmas coisas, com as mesmas pessoas, nunca saímos muito da nossa zona de comforto nem nos aventuramos por aí além (pelo menos a maior parte das pessoas). Reparei nisso quando fui a uma mini aula para saber se me podia inscrever: primeiro não fazia a miníma do que é que ía acontecer (acabei a ser a única na turma a dançar de calças de ganga - yhey me!) e depois também não sabia quem é que ía encontrar. Tanto quanto eu sabia podia ser só eu e 20 crianças entre os 5 e os 10 histéricas. Mas tive sorte (acho) e enquanto as crianças saltavam e riam e faziam coisas estranhas que as crianças dessa idade fazem (eu tenho uma certa alergia a crianças quando são muitas), nós trocávamos olhares. Ou melhor, eu trocava olhares, porque elas pareceram-me todas um bocado timídas. Nem quando foi para juntar a pares, a Camila (? ou era Clarissa? não sou boa para nomes... era a que estava atrás de mim na barra) disse nada, eu olhei para ela e ela para mim e pronto ficamos juntas. Weird, right? Mas pensando bem, provavelmente elas também foram naquela de que podiam encontrar só crianças e ficaram surpreendidas...?

Não sei, vou tentar descobrir mais amanhã (e tentar decorar os nomes delas também).
Entretanto tenho que me dedicar ao Pessoa, ou amanhã vou entrar em pânico.
Bom inicío de semana meninas <3

13.10.09

nanowrimo.

Sinceramente tenho andado pouco inspirada. Acho que é do tempo. Demasiado quente. Já era tempo de começar a chover e a fazer frio como deve ser... Odeio estar em aulas com calor, afinal não é por acaso que as escolas fecham no VERÃO e não no Inverno, mas enfim.
Mudando de assunto. NaNoWriMo.


Era o que eu queria falar. Vou participar e vocês (pelos menos quem sabe escrever em inglês que eu acho que são vocês todas :P) também deviam. O objectivo é escrever um livro no mês de Novembro - 30 dias, 50000 palavras. O mais importante é quantidade e não qualidade, portanto não é preciso preocuparem-se se o que escreveram está bem, mas simplesmente, escreverem.
Eu que estou sempre a adiar escrever coisas muito grandes porque acho que ou não estão bem escritas ou vou ficar uma eternidade a escrevê-las vou aproveitar a oportunidade.

Portanto... http://www.nanowrimo.org/ e http://www.nanowrimo.org/eng/user/523789

3.10.09

holding on.



A million and one thousand things are screaming in my head
And I can't seem to forget
Can't stop thinking about you
I could ride across the sky in a bicycle built for two
Could you teach me how to ride
Like you taught me how to feel alive

Not a single day goes by when I don't wish for you to watch me pause to find the words to steal your heart away
But I play every word back round and round to try and find a clue you might have left behind to say you feel the same

Even if I know
I'll never be your Leo
I'll keep holding on

A hundred and three thousand ghosts are laughing in my dream
My eyes are failing me
Everywhere I look I see you
I could bake a chocolate cake for you with tiers up to the moon
Could you show me how it's done
Like you showed me how to fall in love

You'll never see that I'm the one who never left you when you needed me to cry to cos your heart got broke again
So I'll play until the strings on my guitar give out and I'll be aching from the pain of trying to pretend

Even if I know
I'll never be your Leo
I'll keep holding on

A million and one thousand things are screaming in my head
And I can't seem to forget



by Alex Day (aka Nerimon)
Parrot Stories

october.

E mais um mês começou.
Estou agora a começar a aperceber-me que este É o meu último ano de secundário. Para o ano vai ser algo completamente diferente. Gostava de ter algo inspirador para dizer, normalmente até me saiu com alguma coisa filosófica, mas desta vez não. Não sei. Ainda estou a pensar, a imaginar, a fantasiar no que vai ser o próximo ano, e à velocidade que o tempo está a passar, este mês que ainda agora começou vai acabar e depois vem Novembro (NEW MOON! :D:D:D:D) e depois Dezembro, o Natal, um novo ano, e sem me dar por isso já acabei o secundário (e o mais provável é não ter aproveitado nada).
E pronto. Mais um mês começou e as nossas vidas continuam e muitos outros hão de vir. Só queria mesmo dizer isso... Nunca se sabe se será este mês ou qualquer outro que mudará a nossa vida ou será o melhor de sempre, mas para descobrirmos.. só mesmo se o vivermos.
Ok eu acho que já não estou a fazer muito sentido por isso... Adeus.

2.10.09

28.9.09

so lost.

Uma lágrima cai nos meus dedos gelados, a brisa traz o inverno consigo e sopra no meu cabelo solto. É a minha estação do ano preferida, a chuva ameaça cair, eu sinto-me comfortável no meu próprio desconforto frio.
Porque é que esta lágrima cai? Porque me sinto perdida. Qual o meu caminho, para onde vou a seguir, o que vai acontecer amanhã? É dificil tomar decisões em relação ao futuro, é ainda mais dificil viver com elas. Tenho medo, não sei onde estou nem para onde vou e sinto-me fraca demais para enfrentar o desconhecido agora.
Vozes, outros, dizem-me para continuar em frente, que eu consigo. Mas será que consigo? Ultimamente pergunto muito mais do que afirmo. Quero estar sozinha, fechar os olhos com força e esperar que tudo se desvaneça num dia mais claro.
Estou tão perdida... Acredita quando te digo, brisa. Estou mesmo. Desta vez mais do que nunca. E não é algo que uma simples bússola resolva, isto é sério. Sinto que o passar dos segundos se torna mais ameaçador, mais rápido, mais permanente, e eu sem a mais pequena ideia de que atalho tomar.
Diz-me - será muito mau se eu continuar a pairar aqui? Neste momento, neste sitío, do qual nem gosto, mas que pelo menos não parece ser tão permanente como outro qualquer. Ficar aqui, fechar os olhos para sempre, deixar a vida passar-me à frente sem preocupações, até estar pronta para enfrentar o que quer que seja que venha a seguir. Pensando bem não parece assim tão mau.

É que eu sinto-me tão perdida, brisa... Leva-me contigo, para um sitío onde não tenha de pensar.

20.9.09

void.

Pensei muito sobre este post/texto/pensamento. A verdade é que tive muito boas ideias nestes últimos dias, e se conseguir hei-de explorá-las todas, mas nenhuma me pareceu tão...urgente como esta. Uma amiga minha fez anos, eu fui ao jantar dela, e bem, voltei para casa, e só nessa altura (agora) comecei a pensar em algo muito caracteristíco daquela que foi uma das poucas melhores amigas que já tive: os 'cumprimentos'.
Normalmente quando digo olá ou me despeço de alguém, evito o máximo contacto (por nenhum motivo em especial) com dois beijinhos rápidos. Com ela não. Beijinhos nem são necessários, mas mais abraços. Não sei se é com toda a gente, ou só comigo, mas naquele momento (que até nem é nada curto) em que nós nos abraçamos, eu penso.
Nem me lembro agora no que penso na maior parte deles, mas aquele momento silencioso com a minha amiga, aquela que sabia tudo o que se passava na minha vida, as músicas que eu gostava, o que eu pensava, é incomparavel com qualquer outro. E ao mesmo tempo descomfortável.
Não sei explicar. E isso é triste, porque a minha não há tanto tempo melhor amiga está longe e eu estou a deixar esses laços desvanecerem-se no tempo. É horrível, é como se uma parte de mim, todos aqueles momentos de abraços se estilhasassem em bocados pequeninos no nosso mais recente abraço de despedida.
Todas aquelas memórias, muitos os melhores dias da minha vida perdidos no espaço indefinido que se tem vindo surrepticiamente a formar entre nós.
Sinceramente, tenho que admitir que se eu me achava deprimida, agora sou-o muito mais.

p.s.-desculpem a espontaneidade disto, erros ortográficos e se este post não foi bem o que estavam à espera. Ás vezes acontecem coisas das quais temos que desabafar, penso que todos compreendem isso. Xoxo, cate.

17.9.09

selo.

A adorável alwaysblueandyellow presenteou-me com este selinho. Se ainda não foram ao blog dela devem ir, não sabem o que estão a perder... ;)

1. Selo
2.Link de quem enviou
3.Passar a oito pessoas e avisar
Bem por agora é tudo, espero que o início das aulas esteja a ser bom para todas :D

14.9.09

omg. epic. win.


Love it, adore it, rewatch it.
Faint.
Não posso esperar nem mais um segundo por dia 26/11. Vou morrer até lá...
Entretanto estou a pensar num tema para um novo texto e hei-de arranjar um tempinho para vos comentar a todas. :D

9.9.09

bruises.

A chuva cai em grande força lá fora, fora da minha janela, fora do meu espaço fechado, do meu comforto seco e seguro. Mas abrir os olhos e vê-la lá fora, faz-me sentir mais segura. Faz-me sonhar de dias chuvosos e frios, e que mesmo assim são luminosos e quentes, pedaços de pequenos grandes momentos.
A chuva cai, as pessoas lá fora correm, o chão reflecte a água, que cada vez bate mais e mais, e com mais força. E enquanto que as pessoas fogem desta pressão, para um sitío mais seguro e seco como aquele em que eu estou agora, as pedras, o alcatrão, persistem e persistem. Aguentam mais uma tempestade, mais um libertar de fúria vindo do céu. E lutam, e continuam a ficar fortes, a aguentar a pressão da chuva, por mais dificíl que seja. Por muito doloroso que seja, por mais nódoas negras que isso deixe, elas são fiéis e fortes, aguentam seja o que for.
Ás vezes sinto-me assim. Como se fosse uma pedra da calçada, e suporto tudo o que vier contra mim, mantenho-me em pé, fecho os olhos e enfrento seja o que for. Mas nem sempre é fácil, olhar para trás e ver as nódoas negras que ser forte deixa. É bom ter um refúgio. Um lugar seguro em que podemos simplesmente respirar fundo, tirar o peso do mundo de cima de nós, deixar as lágrimas cair e que outra pessoa seja forte para nós por uns momentos.

6.9.09

liberdade.

Ontem estive a passear pela Av. da Liberdade á noite.
Por mais incrível que pareça (especialmente tendo em conta que é a rua mais poluída de Lisboa) isto teve um efeito relaxante em mim.
As pessoas em pequenos grupos aqui e ali, paradas a conversar; os carros que rapidamente atravessam a rua de uma ponta à outra, deixando apenas uma côr desfocada e uma brisa para trás; as lojas, grandes, luxuosas, brilhantes e as árvores grandes que protegem as suas montras e que misturadas com as luzes de rua, tornam tudo tão irreal. Parece um pequeno mundo imaginado e, não ligando aos sem-abrigo, faz com que todos os problemas desapareçam da minha mente, dando lugar simplesmente a um sorriso, uma gargalhada abafada, um olhar brilhante, irradiando despreocupação e felicidade.
Se existem micro-climas, então existem micro-momentos, e este foi um deles. Naquela Avenida poluída, ainda que resplandescente; movimentada, ainda que única; eu posso imaginar que o mundo é perfeito.

Your result for The Chakra Test...

The Artistic One

You have scored 89% Expression - Your dominant Chakra is the "Throat or Blue Chakra"

The "Throat or Blue Chakra" is where the energy for communication and self expression originates from. It is located - as one may easily assume by its name - in one's throat. And this is the chakra which is most developed in you at this time.

Depending on your percentage score, there is always more room for development. When this chakra is under-active, you may stop speaking, become introverted and shy, and not be willing to communicate and express yourself. In many cases this may be due to your fear of speaking the truth. If over-active and out of balance with your other chakras, you may tend to become domineering, and also distance yourself from others. Your talents can suffer greatly when this chakra is out of balance.

What is most important is to find balance amongst all 7 chakras. Have a look at what percentages you scored on the others and work to increase their power and balance with each other.


Root Chakra: 47% Passion, Sacral(Spleen) Chakra: 65% Desire, Solar Plexus (Navel) Chakra: 59% Purpose, Heart Chakra: 67% Balance, Throat Chakra: 89% Expression, Third Eye Chakra: 18% Imagination and Crown Chakra: 47% Spirituality!

"Throat Chakra" Key Words: Communication, Speech, Trust, Creative Expression, Planning, Spatial, Organization, Caution

"Throat Chakra"Attributes: Color - Blue Sense - Hearing Element - Either Seat -Creative expression, communication

If you enjoyed this test, I would love the feedback!


Take The Chakra Test
at HelloQuizzy

31.8.09

alternative music monday.

endings.

Primeiro que tudo, peço desculpa por não aparecer aqui há algum tempo. A verdade é que para mim alguns dias são dificeís de "viver", não vou mentir.


No outro dia estive a pensar (e a escrever) sobre fins. Como o fim do dia, marcado pelo pôr-do-sol; o fim de uma viagem, o cansaço a tomar conta de nós, mas a sensação tão distinta de satisfação; o fim de um capítulo, e (se o livro fôr bom) o anseio para começar outro, ... O facto é que seja qual fôr o final, normalmente algo se segue. A noite, a rotina, outro livro, até a vida depois da morte. É lógico. Chego à conclusão de que no fim de algo, outra coisa tem de se seguir.


Mas nem sempre é tão linear o que se segue. No outro dia uma amiga perguntou-me a questão mais simples, mais perguntada de sempre desde a nossa infância (e não, não é a minha odiada "Estás bem?/Está tudo bem?) "O que queres seres quando cresceres?". Ela pôs a pergunta mesmo assim, ignorando o facto de apesar de ainda não sermos propriamente adultas, já termos "crescido". O mais alarmante de qualquer maneira foi a resposta vazia que tinha para ela.
É claro que não sou assim tão irresponsável, estando a caminho do 12ºano e tudo o mais. Eu tenho uma resposta(s) automática - economia, normalmente a mais segura. Sejamos realistas, porém. Eu não tenho nenhum interesse especial por economia, ou outra coisa qualquer para dizer a verdade. Eu praticamente não tenho interesses reais. Estou tão habituada a satisfazer os outros, ou pelo menos, a tentar alcançar as expectativas que os outros têm para mim, que realmente não consigo pensar em nada que eu queira realmente.


Chegamos ao fim. E agora qual é o caminho? Vou mudar o meu destino em função de mim ou das expectativas dos outros?
Chegamos ao fim, de facto, mas acho que nunca vou ter a minha resposta.

24.8.09

secrets.

Toda a gente tem segredos. Qual é o teu maior segredo?

No silêncio das nossas casas, nas sombras da nossa vida, escondemos os nossos segredos. Uns maiores que outros, outros mais escuros que outros. Alguns partilhamos com uma amiga próxima, outros partilhamos com um diário, outros simplesmente são ditos em frustração bêbeda (sim eu digo coisas bastante interessantes quando estou bêbeda :S).
Será que ter segredos significa que nos gostamos de distanciar das pessoas há nossa volta? Ou simplesmente que as queremos proteger?
Talvez somos nós mesmos que não estamos ainda preparados para partilhar algo, para admitir.
De qualquer maneira acho que é sempre bom não revelar tudo quer seja aos nossos amigos, familía ou namorados. Torna a relação mais interessante, ir descobrindo aos poucos outra pessoa. Mas e se alguém descobrir algum dos meus segredos que não gosta? O mais provável é acabar sozinha...

A vida é demasiado complicada. E eu penso demais.

23.8.09

darkness.

In the darkness
So unfamiliar
She feels powerless
In shadows of fear
Will she rest?
Will she perish?

22.8.09

Qual é, na vossa opinião?

the second.

My new baby! É um macho, por isso não sei bem o que lhe chamar.. :S Maaasss... Eu tinha a ideia de lhe chamer Edward (ahah eu sou tão original) mas a Marta não gosta (ela tem um complexo anti-twilight que eu ainda estou a tentar mudar) e ela continua a ser a madrinha do peixe, portanto..

i'm here for you

20.8.09

coco, the first.

Eu tinha um peixe. A minha melhor amiga deu-me na segunda-feira como prenda de anos. Devido ao uso do verbo ter no passado, já devem ter calculado que eu já não o tenho. Ou seja o meu primeiro peixe, prenda de anos da minha melhor amiga, viveu exactamente dois dias na minha casa antes de decidir morrer. Eu sei... "WTF?!?! SERIOUSLY?!" Yup... A minha reacção exactamente.
Aparentemente o homem da loja enganou-nos e deu-nos um aquário pequeno de mais para o tipo de peixe, e o peixe que lá cabe (um Beta macho, para os entendidos no assunto) está esgotado em toda a Lisboa, ao que parece. Portanto este fim-de-semana lá tenho que ir eu levantar-me cedo para ir à loja de animais do mercado de Benfica comprar um peixe (o segundo esta semana) e de alguma maneira explicar à Marta porque é que o peixe que ela me deu está neste momento algures numa lixeira lisboeta. A última será ligeiramente complicada e tenho vindo a adiá-la porque o acordo era que se o Coco, o peixe, morresse, ela me matava. E ela era bem capaz disso.
A única coisa que eu tenho a dizer? Ainda bem que ela tem uma certa aversão à Internet.

Que descanses em paz, Coco, peixinho dos olhos grandes.

want.

Apetece-me dormir, fechar os olhos e sonhar de sitíos inimagináveis. Apetece-me sair, correr os campos tingindos de verde. Apetece-me ficar eternamente deitada na relva fofa, observar o contraste das estrelas brilhantes no céu preto e segurar a tua mão. Apetece-me... Quando somos novos, queremos decobrir tudo e tudo é o fim do mundo.
Há tantas coisas que quero ver, descobrir, guardar na minha memória. Mas tudo parece tão impossível, parece que não há tempo, parece que tudo vai acabar com um suspiro, com a brisa leve do vento.
Pois ela que me leve. Quero voar. Quero imaginar. Quero descobrir. Quero concretizar tudo aquilo que me apetece fazer, só pelo luxo de que posso, de que quero.

cate.

16.8.09

random thought.

A second, a minute, an hour, a day ago.
Painful remembrances of the moments we let go.

7.8.09

No escuro do meu quarto é fácil pensar que no amanhã tudo será melhor. É simples fantasiar com uma vida feliz, a melodia de um piano, a vivacidade de um arco-íris... Mas viver mesmo, sair do refúgio seguro, enfrentar o mundo exterior que pouco de nós conhece, que nos ataca ferozmente em cada esquina.
Viver parece simples, mas quem alimenta essa fantasia nunca viveu. E quem viveu deseja sempre ter-se agarrado à fantasia, nem que fosse por apenas mais uma manhã cruel.

.cate (mobile)
p.s.-obrigada pelos comentários meninas :D desculpem não ter respondido, mas por causa da viagem não tive muito tempo. xoxo

5.8.09

hi and goodbye

Sim estou cá outra vez, mas não por muito tempo. Vou para Inglaterra no sábado, o que vai ser... AWESOME :P Mesmo que apanhe gripe A, vai valer a pena. Sempre que vou a Inglaterra é como se tivesse voltado a casa depois de muito tempo. A última vez que lá tive foi em 2007 quando saiu o último livro de Harry Potter (sim, eu sou nerd e tenho orgulho, muito obrigado)Enfim, o que é que se pode fazer não é?
Enquanto estive no Algarve tive uma ideia para um livro, mas como tenho tendência para começar as coisas e desistir a meio, não tenho muitas esperanças.
Bah.. Não sei o que dizer. Apetece-me escrever alguma coisa mas não sei o quê. Mais um ponto em direcção à insanidade. Boa, Catarina! Vais no bom caminho...

cate.

27.7.09

"Saying 'I notice you're a nerd' is like saying, 'Hey, I notice that you'd
rather be intelligent than be stupid, that you'd rather be thoughtful than be
vapid, that you believe that there are things that matter more than the arrest
record of Lindsay Lohan. Why is that?' In fact, it seems to me that most
contemporary insults are pretty lame. Even 'lame' is kind of lame. Saying
'You're lame' is like saying 'You walk with a limp.' Yeah, whatever, so does 50
Cent, and he's done all right for himself." (John Green, July 27th)

Something John Green said two years ago, e com a qual eu concordo. LOL. Rio-me sempre que leio isto, porque é tão verdade e cómico ao mesmo tempo. Anyway... É o meu dia de anos! Não dou muita importância, mas sejamos francos, isto é o meu blog e É o meu dia de anos afinal, portanto eu posso escrever o que quiser - Parabéns para mim, porque de facto efectuei mais uma órbita à volta do sol, mais um ano. 17. Credo, já se torna uma rotina!

25.7.09

next week.

De malas feitas para ir para o Algarve. Estou só mesmo a passar aqui para dizer até para a semana e divirtam-se ^^
Provavelmente não venho à net enquanto lá estiver. :'(
Levo 5 livros para uma semana - yhey I'm nerd! :P

23.7.09

peniche city.

mountain goats.

Os últimos quatro dias passei-os em Peniche. É um sitío giro. Para quem gosta de praia e de pouco calor... Como eu (especialmente na segunda parte, sou mais de climas frios/chuvosos).
E como tal não fiz o meu Music Monday, mas tenciono fazê-lo agora, para quem gosta de indie ou música alternativa, esta banda é boa. Pessoalmente esta é a minha música preferida:


Descobri esta banda através do John Green. Ele uma vez disse no BlogTV que era a única banda que ouvia e achei interessante, mas nunca mais me lembrei de ir ver até hoje. Porque estou a ler o livro dele Paper Towns em que a banda é mencionada.

18.7.09

harry potter.

Para começar há que dizer que adorei o filme, e até agora acho que é o melhor dos que já foram feitos. Não é uma cópia do livro, mas eu prefiro assim. Depois do crepúsculo, em que as partes que eu amava no livro não estavam no filme mas montes de falas eram as mesmas, fiquei feliz por ver que os criadores deste sexto filme foram criativos mas fiéis à história.
Por faler em Twilight, mais alguém reparou na semelhança quando Slughorn no início diz 'Absolutly and inequivocably...'. Não é nada de especial, mas quando ouvi pareceu um bocado porpositado que pusessem uma expressão tão parecida com a de Twilight.
Continuando... Também gostei da música do início quando aparece o logo do filme e o Harry a ser fotografado. Mais uma vez um pormenor inútil, mas acho que dá logo desde o início a perceber que este vai ser um filme mais obscuro.
A parte do metro achei que estava muito bem conseguida, com o poster do magic e a rapariga (começamos logo a ver que é um filme que é mais adolescente), apesar de achar que devia ser explicada aquela parte dos Dursley... É uma das partes mais importantes, o porquê do Harry continuar a ir à casa dos Dursley, mas pronto, as pessoas que vão ao cinema e não lêem os livros ou não são muito espertas ou vão a correr para casa ler o livro (a primeira pode-se explicar pelo facto de na estreia no Colombo, quando trocaram as partes do filme, ficando depois do
Ron estar na enfermaria, o Dumbledore a morrer e a seguir voltar a estar na parte em que o Ron acabou com a Lavender; e ter havido pessoas que não deram pela troca).
Adorei o pormenor de quando o Harry chega à Toca, o Ron tira um bocado de pasta de dentes da cara da Hermione e depois quando ela está a descrever o cheiro que a poção do amor tem para ela, um dos que ela diz é pasta de dentes. Achei fofo. Desculpem os pormenores inúteis, já vi o filme duas vezes (e ainda promete mais uma terceira e talvez uma quarta) e há coisas em que se pensa mais da segunda vez.
Por falar na Toca... Aquela parte em que os Devoradores da Morte atacam?... Bem quem foi comigo ao cinema (também fãs dos livros) acharam (1) assustador e (2) idiota porque não está no livro e não faz sentido. Eu não sei o que pensar. Gosto dos efeitos, do Harry a correr, da Ginny (o meu ódio por ela diminuiu significativamente neste filme). Percebo qual foi o objectivo - mostrar que o Harry era demasiado "alcançável" e também reagia mais depressa do que pensava. A primeira coisa que me veio à cabeça quando vi pela primeira vez a cena, o Harry e a Ginny de costas um para o outro a enfrentar a Bella e o Greyback, foi Lily e James. Não sei porquê. É o meu pairing preferido da série sem dúvida, mas não sei, a primeira coisa que pensei foi que 17 anos antes tinham sido eles na mesma posição exactamente. E isso é simplesmente.. uau!
Tenho imensas coisas a dizer sobre este filme - how odd! - mas não vou ter tempo para dizer todas. Acho que vou ter que acrescentar ao longo do tempo por entre posts...
Mais uma coisa só: o efeito da Felix Felicis, mais uma das cenas que eu não pude evitar desmanchar-me a rir (assim como na do Cormac a lamber os dedos para a Hermione e o Harry a levantar-se quando a Ginny chegou, no jantar do Slughorn) e que mais uma vez dividiu as opiniões das minhas amigas. Uma delas achou que estava a retratar o Harry como um idiota (opinião que também se estende à Luna), o que não acontece no livro.
Eu acho que pode ser um pouco verdade mas temos que pensar que (a) isto NÃO é um livro, logo os sentimentos têm que ser retratados mais "obviamente" para que sejam compreendidos, neste caso o Harry sentia-se mais desinibido porque sentia-se com sorte e confiança, o que também o fazia parecer um pouco idiota, e razão (b) porque exactamente por ser um filme tem que haver algo que prenda a audiência que não é fã dos livros, daí a parte cómica. Tenho que admitir que nunca me ri tanto num filme de Harry Potter (pelo contrário, costumo chorar) e que gostei muito da representação do Daniel Radcliff.

Tenho que ir, mas prometo comentar mais se quiserem. Amanhã vou para Peniche, volto na quarta à noite, por isso esperem qualquer coisa na quinta ou assim :D
Bom fim-de-semana!

cate.

suffering.

Why do people suffer? Porque é que sofremos quando algo ou alguém nos afectam? Porque...?

Blah... Foi só um pensamento que me ocorreu...
Logo à noite posto o que achei do Harry Potter. É grande demais para mandar por telemóvel -.-
cate.

14.7.09

chill out.

ganzadas :Ppiriquitos da marta: sirius e ninfa (short para nymphadora^^)

e portanto hoje passei o dia em casa da minha bff (sempre que digo bff lembro-me daquela séries "Paris Hilton's New BFF" LOL) a fazer nada. Amanhã ela vai ter exame de biologia, o que é triste, mas pronto... Comprei os bilhetes para o Harry Potter (:D:D:D:D) e ficamos nos lugares Vodafone (=pipocas grátis), ou seja estou num estado de extrema excitação (mais porque só faltam 38 horas para o filme do que porque ficamos naqueles lugares, apesar de também ser excitante). Mais alguém vai à sessão das 13h. no Colombo? Vou lá estar com uns amigos, por isso juntem-se à festa xD

happy birthday marta!


Parabéns bé! ^^ Bff's forever hehe :p

13.7.09

[music moday - 13/07]

ok tenho que admitir que isto foi um bocado em cima da hora e nem gosto assim tanto da música, mas faz-me lembrar a praia e o calor, e eu estou quase a ir para o Algarve por isso acho que é adequado. :P
E vocês para onde vão de férias?

perfect.

imperfection is what makes it perfect.

12.7.09

countryside love.


ontem na casa de férias no campo. :p

pop tarts.

(my twitter this morning)

dreams

11.7.09

remembering sunday.

Estou com frio. Está calor? Não sei. Espero não ter apanhado gripe A. Amanhã quero ir ao Dolce Vita. O que vale é que eu só me preocupo com este tipo de coisas inúteis, porque se não era muito mais triste.

do you love me?

The girl, with her hair dancing in the wind, so little, so innocently pretty, but still, so smart and thoughtful. You could clearly see she was no ordinary 3 year old, though she liked to pretend every now and then, she was as shallow and restless as the next clever, little girl. We, me and Nessie walked for a while, quietly, in the wide, clear field, painted with green and sprinkled with red poppies. Suddenly, she threw herself into this sea of green, careless, not minding the brand new white dress that intensely contrasted with her light hair.
"-Nessie! What are you doing? Your mom's going to kill me for that - as if she hadn't enough reason to kill me already.
-But... But Jake I want to roll on the grass, like as if I was a beautiful, innocent princess."
I sat on the grass next to her, holding her face into my hands. She had such a soft skin, though I was not sure if in a good way.
"-You are a beautiful, innocent princess. And why would rolling on the grass make you feel like that?
"-I'm not innocent. And doesn't rolling make you feel free? I feel free.
-Renesmee Carlie, you are free. How many tim..."
She jumped on top of me. She had an annoying habit of not letting me finish sentences. Guess she took on the father's side on that one.
"-If I am a princess, will you be my prince Jacob?" Her big eyes stared at me intently, perhaps searching my reaction. Nessie was always more observant than she let out.
"-Of course I would. I would never want it any other way." She smiled happily.
"-Do you love me, Jake? Will you love me... Forever?" I held my breath. There were so many reasons to lie...
"-Yes, Nessie. I love you and will never stop doing so. Forever." She seemed oddly pleased with the answer. She put her little fragile arms around me, and let her, apparently held breath, out.
"-I love you too, Jacob." There was a much too quiet silence around us.
"-Forever." She added seriously.
Forever. And suddenly it all felt perfectly matched.

Espero que tenham gostado. ^^

Edit: tive que voltar a editar isto porque não sei se repararam eu enviei isto do telemóvel, e a vodafone amávelmente incluiu o meu número de telemóvel.

10.7.09

me + harry potter...

= Benjamin Button. :S

wow

Estou em choque...
Não é que não haja outras pessoas que gostem do que eu escrevo, porque há (por acaso tinha melhores notas a português no 10º ano, exactamente porque o stôr adorava aqueles textinhos que eu escrevia para me divertir). Foi por isso que eu comecei este blog em primeiro lugar, porque havia pessoas que queriam ler mais do que ouviam eu ler nas aulas (ou porque não tinham paciência para escrever e precisavam de entregar alguma coisa como trabalho de casa).
De qualquer maneira fiquei impressionada por isto...
Thanks Hannah! ^^

Harry Potter IS love


Harry Potter is a God, originally uploaded by shiningmer.

I guess it says it all... (tirada para o concurso do TwilightersPortugal, para o tema de Religião).
Tão perto da estreia do 6ºfilme em Portugal, nunca é de demais relembrar que sim, eu amo (venero neste caso) Harry Potter.

9.7.09

desperate.

Because everybody else has.

fff-fashion.

Hoje fui às compras... Não o que é que isto tem de especial, mas não sei porquê senti a necessidade de escrever isto para que toda a gente saiba - eu fui às compras. De vez em quando eu passo-me, é normal. Faz parte da minha pessoa, é uma questão de hábito. Outra coisa que eu fiz hoje e a qual sinto a necessidade de partilhar, é que finalmente (porque acho que me vão rejeitar devido ao facto de que eu sou gorda) enviei um pedido de inscrição para o LookBook (site pelo qual estou de momento apaixonada). Para isso foi necessário enviar o meu "primeiro look"...
A mais estúpida A minha preferida O resultado final

Bah enfim... hoje não estou nos meus dias de falar de mim.

cate.

the sky is the limit.


..at least we hope so

8.7.09

7 days to go.

Hmm já agora para os fãs de Harry Potter que ainda não foram ao Colombo, acabei de postar isto no meu twitter (há que fazer alguma publicidade):

(a fotografia está péssima porque não queria atrair muita atenção para a minha "nerdisse" e porque foi o telemóvel :p)

memories.


Dá-me a tua mão. Fecha os olhos.
Suavemente dá uma volta, como se este fosse o melhor momento da tua vida, como se esta fosse a melodia mais bela que já alguma vez ouviste.
Uma lágrima cai. Um suspiro é libertado em vão, e o medo que o outro se tenha apercebido aumenta. O fim nunca esteve tão perto.
O sol entra pela janela, iluminando o chão mogno, envernizado, no qual passámos tantos momentos juntos, a dançar, deitados a contar os defeitos do tecto, aninhados um no outro nos dias de inverno, lutando para manter o calor, ouvindo a chuva a tentar perturbar o momento.
Tudo acaba, não há dúvida.
A questão é: vais-te lembrar?
Serão estas memórias dignas da nossa lembrança, do nosso sofrimento sempre que nos lembrarmos do que deixámos para trás.
Ou será que são apenas memórias, vazias, como todas aquelas que vieram antes de ti...?

cate.